Notas sobre Laura - A conexão de uma mãe e seu bebê desde a concepção

14 Set

E eis que estou aprendendo o belo ofício do que é ser mãe, ainda com minha Laura em meu ventre!

Sim, estou grávida a exatas 13 semanas e 3 dias. Tão pouquinho tempo, para tantas mudanças ao meu redor e em especial, dentro de mim. Mas o foco deste texto não é falar de todas as tantas mudanças que já estão acontecendo não...deixo isso para uma próxima publicação. O meu desejo aqui é contar a você como desde a concepção, uma mãe já tem uma conexão tão forte com seu bebê que na maioria das vezes, nem precisariam de exames para confirmarem o sexo...esse foi o meu caso!

Com exatas sete semanas de gestação, numa dessas minhas noites mal dormidas por causa dos enjôos e hormônios, tive um sonho! Talvez o sonho mais lindo e real que já tive até hoje! De tão real, eu não sei descrever se de fato eu sonhava porque quando paro pra pensar nele, me lembro várias vezes de ter meus olhos abertos.

"Mamãe?!" - Me chamava uma vozinha de criança meiga. Tão doce que cheirava a algodão doce...

Eu não respondi. Apenas olhei buscando uma imagem que não aparecia. Não vi nada. Mas ouvia com muita nitidez ela me dizendo:

"Mamãe, eu já estou aqui! E quero que a senhora registre tudo o que vou lhe contar pra um dia contar a mim. Pode escrever uma cartinha." Continuava.

"Comece assim: Esse é o início da história da minha Laura. É assim que irei me chamar, Mamãe!" E então ela começou a narrar o meu relacionamento com meu esposo:

"Papai e mamãe se conheceram a 13 anos atrás. Namoraram e estão casados a 9 anos. Viajaram bastante, se divertiram e trabalham muito. Mamãe uma vez, brincou numa rede social dizendo que teria uma filha e até fez um perfil. A foto era engraçada. Era uma menininha de um desenho." Referindo-se a um perfil que fiz ainda no orkut com a foto da Boo, do filme Monstros S/A.

"Mesmo bricando que era mãe dessa menininha, nunca haviam de verdade pensado em ter um bebê. Ou quando pensavam, vinha a vontade e logo passava. Até que, há quase dois anos, nasceu meu priminho Lorenzzo e mamãe se apaixonou por ele desde a hora do seu primeiro chorinho! Ficou enlouquecida com o cheirinho dele, com o sorriso banguela, com a primeira vez que engatinhou e começou a falar com o papai sobre um bebê com a carinha deles...eu né mamãe?!

Não foi fácil convencer o papai. Parece que ao mesmo tempo que ele queria, já dava medo e ele desistia. Mas a mamãe foi guerreira e convenceu o papai. Até que fomos gerados. Éramos dois lá no comecinho. Mas meu irmãozinho resolveu vir mais tarde, deixando todo o espaço na barriga da mamãe só pra mim.

Estou aqui, crescendo a todo vapor. Serei uma menininha muito inteligente, estudiosa e um pouquinho custosa. Terei o cabelo castanho e, mamãe, não fica brava, mas eu serei a cara do papai.

Se quiser, pode contar pra ele quando acordar o que falei pra senhora. Eu já amo vocês, mamãe! Obrigada por tudo."

E então, como já é de praxe, acordei por volta de 02:30 com um sorriso largo no rosto. Ainda meio confusa e sem compreender direito se aquilo era sonho ou não, mas num estado de felicidade plena e tão maravilhada com a obra de Deus...com a Sua perfeição. Pensei em como o cordão umbilical simboliza a união de uma mãe com seu bebê, mesmo antes de ele nascer.

A maternidade se aproxima da divindade e há quem diga que o amor de mãe é o único no mundo que se aproxima ao de Cristo Jesus.

No outro dia, acordei com a certeza de que a maternidade, além de sagrada, é uma dádiva e a maior alegria que uma mulher pode vivenciar. Nenhum outro projeto de vida poderá substituir o sentimento indescritível que é sentir seu bebê, mais tarde segurá-lo e vê-lo interagir nos seus primeiros dias de vida.

Contei a meu esposo o que havia acontecido e ele reagiu tranquilamente (como sempre), mas pediu para que eu contasse à minha sogra... contei também à minha mãe e algumas outras pessoas.

Na última semana fizemos a ultrassom de 12 semanas e o médico conseguiu identificar o sexo do bebê com 99% de certeza. Como queríamos fazer a brincadeira (emocionante, diga-se de passagem) do chá de revelação, ele contou somente para o meu irmão que encomendou o bolo "difarçado" e no domingo revelamos...ERA ROSA e eu não tinha a menor dúvida sobre isso.

Ainda não sinto minha Laura, mas sei que ela me ouve e sente minha mão acariciando a barriga com todo o amor que eu nem imaginava existir em mim.

Não existe momento mais sagrado, mágico e único na vida de uma mulher do que a gravidez. É extremamente especial, acompanhar o bebê crescendo lentamente em nosso ventre, dia após dia. Isso nos torna cada vez mais leve, grata e feliz.

Que benção!

Juliana Rassi

Formada em Administração de Empresas pelo UNISEB e especialista em Desenvolvimento Humano de Gestores pela FGV, Juliana é coach certificada e membro do ICF, honrando, atuando e partilhando do código de ética regido por esta que é uma das mais respeitadas instituições regulamentadoras de Coaching no mundo, desde 2012 com certificações em personal, professional e executive coaching

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Av. D, esquina com Rua 9, nº 419, Ed. Comercial Marista, 4º Andar, Setor Marista, Goiânia - GO
Uncopyright - Todo o conteúdo deste site está no domínio público. Abro mão de quaisquer direitos de uso sobre meu trabalho. Se você quiser usar meu conteúdo, não se preocupe em me escrever pedindo permissão. Aqui está ela: use como quiser, mande para os amigos, imprima e cole por aí, copie no seu blog ou site à vontade. Se puder colocar os créditos e link para o meu site, fico agradecida. Mas não exijo isso. Meu objetivo é transmitir estas mensagens para o maior número de leitores possível, então, estou desapegando – dentre tantas outras coisas – dos meus direitos.