O que aprendi com 8 meses de gestação...serve para você!

30 Jan

É minha gente, reta final de um processo que nunca imaginei que seria assim!
Estou a 1 mês de ter o maior encontro da minha vida...1 mês para o nascimento da minha primeira filha, Laura e, tanta expectativa em torno do nascimento dela que talvez eu não saiba expressar de fato o que realmente sinto!

O que quero compartilhar com vocês e que talvez seja o mais importante aqui, é o quanto cresci e aprendi com a maternidade ainda na gestação! E, mesmo que você não seja mãe ou pai, acredito que fará sentido a você ler até o final esse texto e tirar suas próprias lições de aprendizado!

Olhando para trás nesses 8 meses, parece que vivi uma vida inteira dentro deles. Vivi as mudanças mais intensas da minha vida. Mudanças hormonais, corporais, mentais, sentimentais...enfim, as maiores, possíveis e imagináveis mudanças que irei resumí-las aqui para você!

Quando engravidamos, uma série de coisas passam por nossa cabeça, do tipo: "E agora? Será que consigo?"; "Como farei com meu trabalho e a carreira que construí?"; "O que está acontecendo com meu corpo? E se eu não conseguir voltar ao corpo que eu tinha antes?"; "Tem um ser crescendo aqui dentro que será dependente de mim...como faço isso?"; "E o financeiro? Meu Deus é muito gasto..." E por aí vai...

Creio que até aqui, vivi todas as fases de forma muito intensa! Da descoberta até o terceiro mês precisei me poupar um pouco de esforços e sustos pq enjoei muito e sentia um cansaço estranho...sem sono, mas cansaço corporal, mental! Hoje, percebo que esses pensamentos relatados acima foram os grandes responsáveis por isso...fiquei esgotada!!! A partir do quarto mês os enjoos pararam, mas acabei permitindo que o medo de não ser capaz de cuidar de tudo e ser uma boa mãe me dominar e tive um princípio de depressão! (PASMEM: Coach também é gente e pode passar por isso!) O obstetra me encaminhou a um psiquiatra que, calmamente me disse: "Isso não é depressão, mas precisamos cuidar para que não se transforme numa! Você precisa mudar sua rotina, fazer mais atividades ao ar livre, viajar, mudar de ares..."

Contando com a ajuda e compreensão do meu esposo e familiares, consegui realizar boa parte do que o médico me sugeriu. Acredito que o divisor de águas foi ter viajado! Fiz uma viagem de 15 dias à Portugal que já mencionei aqui no post As fases da maternidade e o nosso conhecimento de mundo! Pra quem não leu, fiquei hospedada na casa de uns amigos muito queridos que tem um casalzinho de filhos mais queridos e lindos ainda! Foram dias de muito aprendizado, reflexão, alegria e diversão pra mim! Voltei outra! Com saudades de casa...com vontade de organizar tudo para a espera da minha Laura!

Ao encontrar meu esposo, uma surpresa: nosso apartamento em reforma! Saí do aeroporto falando com ele que tudo o que eu queria naquele momento era somente um banho quente, escovar os dentes e cair na nossa cama. Ao ouvir isso, ele me descreve e em seguinda me mostra um verdadeiro "cenário de guerra" em nossa casa! Tanta poeira que estava inabitável! Moramos por 1 mês na casa dos meus cunhados...e eu só queria a minha cama, minha casa, minhas coisas...enfim, pratiquei a paciência e dá-lhe mais aprendizados! Nesse período, organizamos também o chá de fraldas da nossa pequena! Fizemos questão de preparar tudo com nossas próprias mãos! Queremos depois contar a ela, nossa menininha que vem em breve, o quanto ela foi sonhada e esperada! O quanto já era amada desde a sua concepção e para isso precisamos registrar essas histórias, nossos esforços feitos com tanto amor e carinho!

Tudo lindo! Tantos amigos e familiares reunidos! 18 de dezembro de 2016 foi marcante...a primeira festinha para ela e a gente lá, bobos de tão felizes! Enfim, voltamos para nossa casa exatamente dia 28 de dezembro! A casa ainda de pernas para o ar, mas a obra mesmo já terminada! Bendito seja o inventor do aspirador de pó! Enquanto meu marido foi cuidando da montagem de coisas mais pesadas, eu ataquei a poeira da casa com esse útil eletrodoméstico que se transformou num dos meus melhores amigos! Aqui em casa, desde então, não se usa mais vassoura...jogar poeira pra cima pra que? A gente extermina tudo no aspirador...hahahaha! Trabalhamos dias e dias até que a casa de fato ficou com cara de casa!

Segunda etapa: quartinho da Laura! Nada pronto! Então começamos a peregrinação em busca da mobília, itens essenciais de mobilidade e itens decorativos, seu enxoval...gente, como dá trabalho e se gasta, meu Deus! Eu não tinha noção do quanto...mas graças a Deus conseguimos! O quartinho está praticamente pronto, seu enxoval pronto, lavado e passado, a malinha da maternidade pronta...a ansiedade é tanta que deixamos TUDO arrumado com 1 mês de antecedência (e eu falando o tempo todo: não vai dar tempo! É muita coisa)!

Fiquei tão ocupada com essas intermináveis atividades, que nem tempo para insônia ou maus pensamentos, cansaço fora de hora ou tristeza que antes me atormentavam eu tive! Eu não podia me permitir...agora não! Meu esposo precisava de mim, minha filha precisava de mim...reagi tão bem com as ocupações que quando consegui a primeira ida à psicóloga, ela me disse: "você não precisa de terapia agora! Vamos aguardar o nascimento dela e se observar alguma mudança no seu humor ou motivação, você volta aqui!" E assim estou...muito bem...dia 02 completo 34 semanas de gestação...a partir daí a qualquer momento nossa preciosa pode chegar e eu me sinto tranquila e feliz!

Minha única preocupação hoje é com a quantidade de chutes e mexidinhas que ela dá...com as idas constantes ao obstetra e com o enfeite de porta que até o momento não escolhi! Tirando isso, TUDO PASSOU! Acredito que ao engravidar novamente, minhas reações serão diferentes...a inexperiência nos traz muitas inseguranças...muitos medos desnecessários que, mesmo com vários aconselhamentos não passam! Eu vi que precisava viver tudo isso e que essa experiência é que me faria crescer e amadurecer de fato!

Ainda estou trabalhando e não quero parar! Acho que toda essa bagagem não pode ficar guardada só aqui dentro! É preciso espalhá-la sim e compartilhar com meus clientes e com todos que queiram saber!

Minha maior conclusão até aqui? De fato Deus não nos dá um fardo maior do que podemos carregar...JAMAIS! Quando achamos que não vamos suportar, como eu pensei lá entre o quarto e o sexto mês de gestação, Ele nos sustenta sempre!!! Segura em nossas mãos por intermédio de amigos e familiares e nos faz continuar a jornada nos ensinando e nos moldando da forma como Ele quer, até aprendermos e entendermos o propósito de tudo...até da dor, do sofrimento...de tudo!

E se você passa por alguma dessas fases que relatei aqui ou conhece alguém assim, tenha essa certeza em seu coração: VAI PASSAR! Tenha fé e siga em frente não se entregando jamais! Lembre-se também que "nenhuma folha cai de qualquer árvore se assim não for a vontade do Pai!"

No seu ritmo, buscando sabedoria e discernimento siga em frente!

Estou aqui sempre que precisar...

Juliana Rassi

Formada em Administração de Empresas pelo UNISEB e especialista em Desenvolvimento Humano de Gestores pela FGV, Juliana é coach certificada e membro do ICF, honrando, atuando e partilhando do código de ética regido por esta que é uma das mais respeitadas instituições regulamentadoras de Coaching no mundo, desde 2012 com certificações em personal, professional e executive coaching

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Av. D, esquina com Rua 9, nº 419, Ed. Comercial Marista, 4º Andar, Setor Marista, Goiânia - GO
Uncopyright - Todo o conteúdo deste site está no domínio público. Abro mão de quaisquer direitos de uso sobre meu trabalho. Se você quiser usar meu conteúdo, não se preocupe em me escrever pedindo permissão. Aqui está ela: use como quiser, mande para os amigos, imprima e cole por aí, copie no seu blog ou site à vontade. Se puder colocar os créditos e link para o meu site, fico agradecida. Mas não exijo isso. Meu objetivo é transmitir estas mensagens para o maior número de leitores possível, então, estou desapegando – dentre tantas outras coisas – dos meus direitos.